sábado, 7 de fevereiro de 2009

um estádio

A equipa entrou em campo demasiado descontraída, nem parecia que iam tocar em conjunto, tão desalinhados e alheados uns dos outros vinham. O treinador parece recolher todos os louros, visto que entra e sai no final de cada jogada e é, sempre, o mais aplaudido. No fim do concerto, perante os insistentes aplausos, o treinador aproveita para tentar cumprimentar o maior número de jogadores em palco, para fatigar o público. Talvez não cheguem sequer a falar no balneário. É estranho. É estranho que, apesar de tudo, o resultado seja tão belo e harmonioso.

Sem comentários:

Enviar um comentário