segunda-feira, 2 de junho de 2008

uma visita à feira do livro de lisboa numa tarde de domingo

o sol decidiu visitar lisboa no domingo à tarde e, coincidindo com o dia da criança, fez com que os sorrisos voltassem à feira do livro, já que assistiu a uma enchente muito bem vinda, sobretudo depois da desanimadora semana de chuva. de ambos os lados do parque eduardo vii era ver gente a subir e a descer, à procura das suas editoras preferidas, das surpresas que cada pavilhão tem para oferecer, daquele livro que já há tanto tempo se deseja e agora se encontra a preço convidativo. depois, ao domingo, encontram-se também muitos editores e autores, a conversa e os autógrafos fluem com o decorrer da tarde, num dia assim percebe-se perfeitamente a feira como festa de rua que pretende continuar a ser.

alguns pontos dissonantes, ainda assim. como já foi repetido por vários outros visitantes, a praça leya é o ovni da feira. a escolha dos novos pavilhões é infeliz, como se tentasse colocar dentro de um ovo uma família inteira de galinhas. só se encontram novidades, é difícil ter acesso aos expositores, e mesmo quem tem acesso logo compreende que por ali só existem as novidades do último mês, logo, pouca uva para parra tão barulhenta. os autores Leya foram também atirados às feras, em pequenas mesas, no meio da dita praça: se alguns, como Alice Vieira, conseguiam estar no centro de todas as atenções, outros, como Possidónio Cachapa, nem direito a companhia do editor tinha. triste. outra dissonância, para a oferta de pipocas pré-fabricadas num dos pavilhões da oficina do livro: não há por aí um fiscal da asae que trave isto?

em resumo, encontrei na tarde de ontem muitos motivos e amigos para sorrir. mas no fim do dia, perante a imensa confusão, as perspectivas para o futuro que certas inovações parecem propôr, o desatino barulhento do mercado em vez de uma feira cultural, o cansaço natural de subir e descer umas quatro ou cinco vezes o parque, é impossível não deixar de ouvir ecoar pela minha cabeça esta pergunta: editamos livros para isto?

1 comentário: