sábado, 15 de março de 2008

Na Imprensa

O poeta brasileiro Wilmar Silva tem pela frente uma tarefa hercúlea: criar uma antologia em três volumes do máximo de poesia de língua portuguesa contemporânea possível, acompanhados por DVD com entrevistas e leitura de poemas pelos poetas. O primeiro volume sai em Novembro - ainda não está garantida edição portuguesa. O P2 acompanhou Wilmar no último dia do seu périplo português[...]
O projecto
O acima descrito repetiu-se, ao longo da estadia de Wilmar Silva em Portugal, duas, três, quatro vezes por dia. De entre os poetas entrevistados há de tudo: consagrados, como António Ramos Rosa, nomes fortes, Pedro Mexia, Gonçalo M. Tavares ou José Luís Peixoto, gente em ascensão, como Valter Hugo Mãe, Rui Lage, Alexandre Nave, Jorge Melícias ou Pedro Sena-Lino, e praticamente desconhecidos, como Luís Filipe Cristóvão, José Rui Teixeira ou Ana Viana. De fora ficaram Manuel de Freitas e Rui Pires Cabral, Joaquim Manuel Magalhães, Fernando Pinto do Amaral, José Miguel Silva, João Miguel Fernandes Jorge, Adília Lopes e, claro, Herberto Helder, que há décadas se recusa a dar entrevistas. Uns preferiram não falar, outros ou não atenderam o telefone ou Wilmar não conseguiu resposta aos seus pedidos (por vezes não arranjou os contactos a tempo). Mas voltará em breve para incluir os que faltam, para que o trabalho "seja o mais completo possível". [...]

João Bonifácio, Wilmar Silva vai emaranhar a língua portuguesa, Jornal Público de 13.03.2008

1 comentário: