quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Arrendamento, jovem

Ao entrar num apartamento disponível, percebo com prova provada um dos problemas que já me tinha passado pela cabeça.
"Tem coisas?" - pergunta-me a Agente Imobiliária.
Falo em móveis - de repente, soou-me estranho dizer-lhe que tenho livros, não sei porquê, mas acho que não seria percebido, pelo menos na dimensão do problema, se falasse em livros.
E de repente é essa a minha preocupação - a casa terá que ser indicada para os livros, para os livros que tenho (materialmente) e para a escrita de livros (um conceito abstracto capaz de caber em qualquer lado).
Uma casa certa para um escritor - no espaço e no preço (claro). É disso que ando à procura.

4 comentários:

  1. Conhece o conto do Ricardo Alberty, mais tarde passado a cinema de animação? Este post fez-me lembrar "a casa feita de sonho".
    Procure pelo título entre aspas no google.
    Parabéns pelo blog!

    ResponderEliminar
  2. Eu tive uma experiência semelhante quando sondei um seguro para o recheio da casa. A senhora pediu-me para fazer um cálculo, apontando para os 15 mil euros, quando lhe disse que tinha muitos livros. Mas depois pus-me a pensar. Uma vez que tenha cerca de 3000 livros (nunca consegui contar todos), fazendo a uma média de 10€ por livro (manifestamente pouco, a maioria custou pelo menos o dobro), seria um seguro de 30 mil euros. Não tenho dinheiro para pagar um seguro deste valor. Por outro lado, se por azar perdesse os meus livros, dinheiro nenhum do mundo mos pagaria.

    ResponderEliminar
  3. Ali para os lados do Eleven, serve??

    ouvi dizer que as rendas são boas.

    ResponderEliminar
  4. Os livros também são a única riqueza que possuo.

    ResponderEliminar