quinta-feira, 25 de outubro de 2007

não um diário de viagens

Não tenho muito jeito para diários de viagens, fico sempre demasiado tempo a olhar a paisagem sem fim, e se acaso o silêncio se apodera, o que eu procuro, são as palavras num livro trazido no fundo do saco e não a decifração desse silêncio em novas mensagens de poesia. Não tenho, definitivamente, muito jeito para diários de viagens. Prefiro conduzir o carro estrada fora, a estudar as margens do alcatrão e as linhas pintadas nos cruzamentos, aperceber-me pelas placas informativas da infinidade das terras que são pequenos pontos esquecidos nos mapas. Era esta a história do verão. Agora, chegou o outono. Ainda o sol, mas já a minha busca de camisolas nos baús da casa, estendal cheio de desejo de afastar o pó que se acumula.
Ainda a água, mas o cheiro do vinho novo pelas aldeias. Mas o fumo das castanhas a assar na minha rua. Mas a vontade de existir neste silêncio, neste bem-estar.

1 comentário:

  1. ser-se contemplativo... é o que dá! guarda-se tudo cá dentro e o Outono é sempre inspirador.

    ResponderEliminar