quinta-feira, 31 de maio de 2007

igual

é sempre igual de manhã - o despertador à mesma hora, a voz do homem da rádio a repetir as notícias, o estado do trânsito em cidades longínquas, o tempo para o país inteiro e ilhas adjacentes. é sempre igual - a cara feia no espelho da casa de banho, a água a correr no chuveiro, a pasta dos dentes a ficar espalhada pelo lavatório. é sempre igual - o caminho para o trabalho, a rotina do balcão, os bons-dias funcionários dos colegas. é sempre igual - menos a vontade de levantar, que vai mudando consoante a noite, consoante o sono, consoante a agenda. é sempre igual - menos o beijo que aparece mais doce, o olhar mais interessado, o dia do calendário. é sempre igual, é sempre igual.

2 comentários:

  1. "Hoje,
    Apenas cataratas de solidão,
    E, imóvel no meu sofá,
    Aguardo por poderes sobre-humanos,
    Do tipo levantar com a mão no ar,
    E fazer chegar até mim,
    A divina garrafa de ambrósia
    Que me contempla do seu pedestal,
    Como musa das atrocidades
    E dos poetas mal-formados.
    Antes fosse absinto, Alexandre.
    Antes fosse absinto,
    Que ao menos sempre dava
    Para o sorriso na cara."
    Mário Lisboa Duarte, Psicoterapia, in www.margemdarte.blogspot.com

    Abraço

    ResponderEliminar