sábado, 27 de janeiro de 2007

almoço da Escola Comercial 1971

vi no jornal. vai fazer o quê, vinte anos talvez, desde a última vez que os vi. não aguentei. era demasiada gente aos gritos, demasiado vinho entornado pelas mesas, demasiados ecos na minha cabeça. cheguei a casa às duas ou três da manhã, a Idalina a chorar agarrada a mim, nunca tinha chegado tão tarde, nunca tinha ficado assim sem avisar, nunca tinha chegado a casa com os olhos tão abertos e mortiços.

no jornal. vinte anos, sim, de certeza. nos anos seguintes ainda recebi algumas cartas, almoço organizado pelo Fernando Carvalho, almoço organizado pelo Zé e pelo Miguel da Freiria, almoço organizado pelos rapazes da Lourinhã. ano após ano fiz-me esquecido, marquei passeios com a Idalina a ver a neve da Serra da Estrela, fomos a Setúbal ver o Benfica, ficamos em casa porque chovia muito e dava algum filme na televisão. depois, esqueci-me de todo e acabou-se.

vi, foi hoje que vi. faz exactamente quinze meses que a Idalina morreu. visito-a todas as semanas no Alto de São João, é como se fosse um emprego, obriga-me a sair de casa com hora marcada. depois ando aí pelas ruas, pelos cafés. acho que já me tinha esquecido da minha terra, da minha escola, desta gente toda. vi no jornal o anúncio e tinha que vir. apesar dos gritos, do vinho, dos ecos. apesar de ser sempre mágoa o que ficou marcado desse tempo. vi no jornal. estou aqui.

2 comentários:

  1. Passei por cá só para te deixar um beijo*


    *bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  2. nada que me espante, mas andas particulaarmente inspirado. Fico feliz.

    ResponderEliminar