segunda-feira, 13 de novembro de 2006

rasgar

rasgar, rasgar o quê?- manhã cedo e o quintal cheio de geada, os pés a quebrarem finas placas de gelo alojadas entre as pedras que fazem o caminho até ao portão, a mesma palavra dentro da cabeça - rasgar - uma recordação de sábado e domingo juntos no dormitório da cidade escura, a cidade onde já ninguém quer morar.

rasgar - enquanto se espera o autocarro e as primeiras pessoas saem de suas casas a caminho do emprego ou de dias que se esperam sempre piores, levar um saco cheio de esboços feitos a pensar nos dias em que haverá descanso na nossa cabeça e alguma paz no mundo - rasgar - a palavra que nos ecoa e que afinal não nos diz nada.

rasgar, rasgar - questões paralelas sobre a janela do quarto, ser capaz de abrir os olhos a meio da noite e descobrir as estrelas antes do botão do candeeiro, alguém que se passeia no corredor da casa que antes parecia vazia, um telefonema anónimo - rasgar - e mais alguns segundos para pensar sem resposta as palavras que insistem em mudar-se para viver em nós.

1 comentário:

  1. Mais uma leitura muito interessante de alguem muito especial... um beijo para o carismatico e meu favourite writter! Kiss *

    ResponderEliminar