domingo, 20 de agosto de 2006

ferragem

pesadelo, pesadelo, mantra repetido pelos meus lábios no sabor do asfalto, curva à direita, curva à esquerda, veículo em processo de ultrapassagem, velocidade perigosa, travões fracos, pesadelo, pesadelo, mantra repetido pelos meus lábios, campaínha da porta, dizer-te o quê, uns quantos frascos de comprimidos e álcool, tirar as meias antes de deitar, fazer amor, fazer amor, fazer amor

pesadelo, pesadelo, levantar da mesa do café a correr com as chaves de casa na mão, abrir a porta, tirar a camisa, beijar-te o pescoço, dar-te, o quê, quarenta e seis segundos para que me digas és tão querido, abrir-te as calças, tirar-te as cuecas, pegar no meu pénis anestesiado, gosto tanto de ti, penetrar-te, penetrar-te, penetrar-te, a correr, a correr, sim, fecha a porta quando saíres, pegar na camisa do trabalho, fazer o gesto

pesadelo, pesadelo, repetir sempre a mesma cena mesmo quando estás a pensar, não vou fazer, não vou fazer, repetir sempre a mesma cena mesmo quando estás a não pensar, a não sentir, era isso que querias dizer, entra, entra, oiço um gemido ao longe mas talvez seja o som das facas na minha cozinha ou da janela a deslizar na calha, afinal é fácil pôr a perna do lado de fora, ou cair, ou cair, ou cair, ou cair.

Sem comentários:

Enviar um comentário