terça-feira, 18 de julho de 2006

verão azul

brincas com o anel que tens no dedo e sorris devagar enquanto eu digo o meu nome - sim, chegaste na hora certa e agora temos que começar tudo de novo partindo do princípio que sempre existimos um para o outro. era isso que tínhamos para dizer ou então um dvd alugado num domingo à tarde, os teus filhos a passear sobre a relva lá fora, a tua mão a segurar a minha como quem conquista uma cidade.

chegas a casa com os cabelos puxados para a frente dos olhos, muito vento lá fora, dizem os meteorologistas que fará bom tempo quando chegar o próximo fim-de-semana. os teus filhos fechados no quarto a jogar computador, o almoço pronto e a mesa posta, querias dizer-me qualquer coisa sobre o trabalho mas as férias estão aí, para mim, e tu sabes que eu sou como as flores, regas um bocadinho e eu cresço com mais cores.

ligas-me para o telemóvel a meio da noite, não sei porque o deixei ligado, talvez já estivesse à espera- vou a correr pela rua até tua casa, vesti as calças de ganga mas deixei a parte de cima do pijama, está muito calor na cidade e tu precisas de mim, são estas coisas que fazem a definição do amor mais espessa que um beijo - querias-me por perto, os teus filhos na casa dos pais, afinal sempre tens medo de ficar sozinha em casa.

1 comentário: