sábado, 8 de julho de 2006

diziam

diziam que não tinha jeito para crianças, que era esse o seu medo: se ao longe, na rua, uma pequeníssima criatura se aproximava, correndo, gritando aquela inconsciência de ainda se lembrar de ter nascido, ele virava costas e procurava a primeira porta onde se proteger. sim, dentro de portas, sentia-se protegido, por estranho que pareça. um vez, na cidade, chegou mesmo a entrar dentro de um infantário e a respirar de alívio.

diziam que não suportava ver uma mulher a chorar, que esse era mesmo o seu medo: trazia lembranças de quando era pequeno, do dia em que bateu à porta, solene e sussurrante, a notícia da morte do seu pai. durante semanas, a mãe chorou à janela, na esperança de um regresso, depois chorou pelos corredos, esperando vê-lo sair de alguma das salas da casa, e finalmente chorou no quarto, à espera de acordar do pesadelo. nunca se esqueceu desses rios de choro materno, e só encontrava sossego no choro fácil dos crocodilos.

diziam que não gostava que lhe tocassem, que era o seu pânico esse, sempre: era-lhe difícil sair à rua, sempre no receio de um raspão que fosse, numa esquina, junto à montra de uma loja de electrodomésticos. comprar, não podia comprar nada, por não suportar a possibilidade de um toque, de um simples deslizar de mão na mão na altura de receber o troco. respirava fundo sempre que queria tomar um café (as máquinas de serviço automático tantas vezes avariadas, que desespero). descansava só quando em sua casa, recebia a visita das suas vizinhas, que o abraçavam ternamente, dizendo flores ao ouvido.

3 comentários:

  1. que texto bom para o meu hoje ( lindo! ). beijo, obrigada

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pelo blog e pela livraria. Sendo residente em Torres Vedras, acompanho com boa disposição as boas iniciativas da livraria do dia.

    Paulo Ferreira

    ResponderEliminar
  3. Livraria «Livro do Dia». Assim está melhor.

    p.f.

    ResponderEliminar