terça-feira, 14 de março de 2006

K quarto

custava-te, com certeza, custava-te, mas o despertador e uma faca que parecia ia cair em cima da cabeça mas - era um sonho, era um sonho, respira- podias levantar-te, deixar os pés no chão, pesar as pernas enquanto as levantavas uma e outra, abrir os estores, respirar fundo - respira, respira - procurares a casa de banho no meio dos despojos, tentares acender a luz - e não funcionar - o que era? uma explosão? - abrires bem os olhos e perceberes esta não é a minha casa abrires mesmo muito e bem os teus olhos e perceberes esta não é a minha casa, porra voltares ao quarto, um corpo adormecido na cama, procurares a tua roupa e

custava-te, com certeza, custava-te, o despertador e uma faca a cair em cima da cabeça mas - como podias tu perceber, como? - o corpo levantar-se, deixar os pés no chão, pesar as pernas enquanto as levanta uma e outra, abrir os estores, respirar fundo - e tu ali, especado, contra o roupeiro - procurar a casa de banho no meio dos despojos, tentar acender a luz - e não funcionar - o que é? uma explosão? - abrir bem os olhos e perceber esta não é a minha casa abrir mesmo muito e bem os olhos e perceber esta não é a minha casa, porra voltar ao quarto, um corpo especado contra o roupeiro, soltar um grito e

custava-te, com certeza, custava-te, o despertador e a faca logo ali mas - quem chegaria primeiro a ela, tu ou tu - os dois corpos a atirarem-se contra a fuga um do outro, os pés que já não importam, as pernas sem peso de tão tensas, os estores abertos, respirar fumo - és tu contra ti mesmo - arrastarem-se para a casa de banho no meio do confronto, tentar acender a luz - que não funciona, não funciona - houve certamente uma explosão - abrir bem os olhos e perceber nenhum de nós é aquilo que pensamos que somos abrir mesmo muito e bem os olhos e perceber eu e eu não somos espelhos um do outro voltar ao quarto, outra vez, corpos adormecidos na cama e

custava-te, com certeza, custava-te, mas o despertador e uma faca que parecia que ia cair em cima da cabeça mas -não era um sonho, não, não- podias levantar-te, deixar os pés no chão, pesar as pernas enquanto as levantavas uma e outra, abrir os estores, respirar fundo - não respires, não respires - procurares a casa de banho no meio dos despojos, tentares acender a luz - não funciona! - explodiu, explodiu - abrires bem os olhos e perceberes esta casa esta casa esta casa abrires mesmo muito e bem os teus olhos e perceberes esta casa esta casa esta casa esta casa voltares ao quarto, corpos como o teu pelo quarto todo e

Sem comentários:

Enviar um comentário