terça-feira, 28 de fevereiro de 2006

magoar

na verdade não estou aqui para te magoar, como seria eu capaz de magoar, desde aquele dia em que descobri, reconheci, reconheci, que tanto te amava, tanto tanto, como poderia, digo eu, como poderia não te amar para sempre, como poderia eu magoar-te alguma vez, de alguma forma, como?

na verdade não estou aqui para te gritar nada aos ouvidos, como, eu não sou capaz de gritar nada, nada aos ouvidos de ninguém, como, na verdade eu não estou aqui, eu não estou sequer aqui, este que tu não vês é outro alguém, provavelmente, provavelmente é, como poderia, como poderia eu?

na verdade não estou aqui para mudar nada, não, não estou aqui para mudar mesmo nada, como poderia eu, não há coisa que se mude no passado, isto sou só eu a olhar para o cano da pistola da vida a ver o que se passava no passado, a ver o que se passava no futuro, eu, eu, na verdade, na verdade não estou aqui para te magoar.

1 comentário:

  1. Andei desaparecida....

    Mas voltei. Com um "Olá" voador que se despede em tons de borboleta.
    Voei. (Mas gostei de ter pousado aqui...)

    :)

    ResponderEliminar