sábado, 11 de fevereiro de 2006

idade

nunca sei bem a tua idade, a minha idade, a nossa idade, nunca sei bem os números as datas os números, nunca sei a minha a tua identidade, nunca sei bem nunca, quatrocentos e vinte e sete olhares trocados pela noite fora, uma duas três noites, um verão inteiro, uma juventude inteira, um dois meses, olhares trocados e noites a dançar muito perto um do outro, era isso, era, um ano um verão dois três quatro, quantas coisas ainda por significar ou encontrar na maneira de te dizer que

nunca sei bem a tua idade, nunca vou encontrar maneira de dizer o número certo e ou a palavra, a palavra ainda pior, ainda é pior, quantas palavras seria eu capaz de te dizer se ao menos tu, tu, eu, eu tu e eu e tu, a tua idade, o que me lembra é um ano, um ano inteiro a tua idade, perguntar-te todos os dias mal te levantas que idade tens hoje, que idade tens hoje que faz frio e chove contra os vidros da nossa casa, e chove contra o tempo que nos toca que idade tens hoje, que idade é, nunca sei bem a tua idade, melhor, pior, nunca sei bem o teu nome, um monte de papéis e folhas de árvore a levantar voo quando tu passas, vais serena e não segura, vais segura e não serena, poesia, poesia, palavras, tu, nunca sei bem a tua idade mas és tu não és, és mesmo tu.
porque depois começa tudo outra vez, outra e outra vez, outra vez, outra e outra vez, eu arregaço as mangas do casaco e toco piano como, toco num piano não, melhor, toco no teclado, toco no teclado, estendo os dedos ao teclado e toco, como se estivesse num piano, num piano, sim, eu estendo os dedos e toco, toco, como se estivesse num piano
é assim que eu faço
e depois volto a olhar para ti e é de manhã ainda, e eu não voltei a adormecer, apenas estava por ali, ali ali ali mesmo ao teu lado e tu entras e sais do quarto e passou um ano uma juventude inteira uma noite de verão a dançar muito perto um do outro e eu nunca sei a tua idade, nunca sei bem a tua idade, mas lembro-me do ano, dos anos, um ano inteiro, a tua idade, é, é, é, disso lembro-me eu, lembro, não muito bem, mas lembro, lembro, lembro.

Sem comentários:

Enviar um comentário